Doctor Who: Jodie Whittaker estará na 13ª temporada

“Em algum momento, eu terei que pendurar as chuteiras. Mas esse momento não é agora”. Whittaker permanece em Doctor Who por, no mínimo, mais uma temporada.

 

A última vez que Jodie Whittaker falou com a EW (para uma reportagem de capa sobre Doctor Who em 2018), ela estava na véspera de sua estréia como a primeira mulher a interpretar a alienígena de dois corações titular do programa. Dois anos depois, como a vida da atriz britânica mudou desde que se tornou o novo rosto da série mundialmente amada? “Uso um boné de beisebol no metrô”, brinca Whittaker, aos 37 anos. “Mas, na verdade, minha vida mudou em um sentido maravilhoso. Tenho uma vida social massiva agora, que são as pessoas que trabalham em nossa família muito unida em Cardiff (onde o programa é filmado) ou um monte de whovians que são adoráveis quando você passa por eles”.

Muitos desses fãs estão encantados com o modo como o programa – atualmente no ar nas noites de Domingo na BBC – está agora abraçando sua história de 56 anos. O showrunner Chris Chibnall usou um quadro em branco para a temporada inaugural de Whittaker, escalando Mandip Gill, Tosin Cole e Bradley Walsh como um novo grupo de companheiros humanos para a Doutora e, pelo menos inicialmente, recusando-se a confiar em velhos vilões ou alienígenas. Mas depois que um episódio especial do ano passado contou com um dos temidos Daleks (uma raça de cyborgs genocidas que apareceu pela primeira vez no programa em 1963), o cenário foi montado para o episódio de estréia da temporada atual: a introdução de Sacha Dhawan como a mais recente encarnação do malvado viajante do tempo, o Mestre, que, como arqui-inimigo, regenera periodicamente sua forma física. “Adorei o trabalho que fizemos juntos”, diz Whittaker sobre a colaboração surpresa de Dhawan. “Quando você tem química com seu principal vilão, é brilhante”.

Mais tarde nesta temporada, a Doutora também enfrentará outro velho inimigo na forma de clã dos Cybermen, uma raça de cyborgs (sim, outro) que reveste as vítimas em trajes metálicos e as força a se unir a suas fileiras. “Eles têm muita presença no set“, diz Whittaker. “Quando eles se movem em uníssono, é incrível. É realmente emocionante”.

Críticas

Embora a primeira temporada de Whittaker como a Doutora tenha atraído críticas de alguns fãs pelo que eles consideravam sua natureza excessivamente política (com um episódio girando em torno do ícone dos direitos civis Rosa Parks), a atriz afirma que não presta muita atenção ao discurso. “Vejo muitas artes de fãs, que sempre amo”, diz ela. “Mas nunca foi tão bom para mim mergulhar no barulho que você não pode controlar, bom ou ruim. Acho que ambos são uma toca de coelho que você não deve necessariamente descer. Sabemos que trabalhamos muito duro para que a série seja a melhor que pode ser neste momento. Uma vez lançado no éter, como as pessoas se sentem, de certa forma, é meio irrelevante.”

Mas Whittaker não vai a lugar nenhum. O tempo em que um ator interpretou o Doutor variou ao longo dos anos – nos anos 70 e 80, o Quarto Doutor de Tom Baker pilotou a TARDIS por sete temporadas; o Nono Doutor de Christopher Eccleston sobreviveu a apenas uma. Então, Whittaker permanece em Doctor Who para uma terceira temporada? “Sim, estou fazendo outra temporada”, confirma ela. “Isso pode ser uma notícia super exclusiva que não deveria contar, mas é inútil não dizer [não sei] porque seria uma mentira enorme! [Risos] Eu absolutamente adoro isso. Em algum momento, terei que pendurar as chuteiras. Mas esse momento não é agora. Estou permanecendo com toda força!”

Fonte: EW

Nos acompanhe e curta nosso conteúdo!
Fechar Menu