Doctor Who: 10 coisas que talvez você não saiba sobre “The Name of the Doctor”

A BBC America está disponibilizando em seu blog Anglophenia uma série intitulada “10 Coisas que Você Talvez Não Saiba Sobre” episódios de Doctor Who, se vocês gostarem, podemos continuar traduzindo por aqui. Começamos com o episódio “The Name of The Doctor”.

The name of the Doctor” é uma história multifacetada, com um humor inteligente e uma atmosfera sinistra. O episódio contém diversas referências – tanto da série atual quanto da clássica – capazes de enlouquecer os fãs mais fiéis. Ele explica quem é Clara Oswald e como ela se tornou a “Garota Impossível”, e faz a preparação para o especial de 50 anos da série, “The Day of The Doctor”.

É também um dos vários finais grandiosos de River Song, o último da sua perspectiva (até agora), embora no que diz respeito ao Doutor, as “Singing Towers” de Darillium ainda remetem ao seu futuro.

Aqui estão algumas coisas para prestar atenção da próxima vez que assistir ao episódio:

(Você pode assistir aqui).

O episódio teve dois prólogos. O primeiro, chamado “Clarence and the Whispermen“, mostrou uma conversa entre o assassino Clarence e os Whispermen, capangas da Grande Inteligência. Em troca de um adiamento de sua sentença de morte, ele recebe coordenadas interestelares a serem entregues para “a detetive réptil” em uma data posterior.

O segundo, “He Said, She Said”, analisa os monólogos internos de Clara e do Doutor, enquanto examinam seus sentimentos um pelo outro:

Steven Moffat planejou o final do episódio com o Doutor admitindo que a fenda do tempo que representa a sua vida levaria de volta diretamente ao último dia da Guerra do Tempo. Assim se estabeleceria a história de “The Day of the Doctor”, em que o décimo primeiro e o décimo Doutores confrontariam o nono (que naquele momento teria sido representado por Christopher Eccleston) sobre sua participação na destruição de Gallifrey. Clara teria saído da fenda furiosamente chateada com o Doutor por esse ato de genocídio, e gritando que ela sabe quem ele realmente é. A decisão de Eccleston de não participar forçou uma mudança no planejamento e a introdução do Doutor da Guerra.

Inicialmente, Moffat considerou reintroduzir o Oitavo Doutor (interpretado por Paul McGann) como o arquiteto da queda de Gallifrey, mas ficou mais intrigado com os eventos em torno do especial de 20 anos de 1983, “The Five Doctors”. Como William Hartnell morreu em 1975, o papel do primeiro Doutor foi dado a Richard Hurndall, e sua reinterpretação do papel foi suficientemente diferente para levar Moffat a pensar sobre as encarnações do Doutor que talvez não tenhamos visto. Como ele já estava desconfortável sobre a ideia do Doutor ser capaz de causar o genocídio de seu próprio povo, fazia sentido considerar duas coisas: que o Doutor poderia não se lembrar de sua parte no final da Guerra do Tempo corretamente, e que poderia ser uma encarnação que o Doutor se recusou a reconhecer.

Um dos pensamentos do Doctor sobre o que ele poderia fazer ao se aposentar inclui a apicultura, que é, em uma curiosa coincidência quase certamente proposital, exatamente o que Sherlock Holmes fez quando se aposentou.

A Grande Inteligência menciona alguns dos apelidos menos lisonjeiros do Doutor, e menciona o Valeyard. Esta é uma referência ao arco de 1986, “The trial of a Time Lord”, no qual o Doutor é sujeito a um tribunal de Gallifrey, e o advogado da acusação é uma figura em um manto negro chamada Valeyard, que mais tarde acaba por ser uma encarnação futura do próprio Doutor. Como o Dream Lord em “Amy’s Choice”, ele representa os aspectos mais sombrios da psique do Doutor, mas onde ele aparece no futuro do Doutor ainda não está claro.

Originalmente, a cena do resgaste de Clara seria com o Doutor carregando-a para fora da fenda, mas Matt Smith machucou o joelho e ficou impossibilitado de andar enquanto segurava Jenna Coleman.

Para mostrar Clara (e a Grande Inteligência) interferindo na linha do tempo do Doutor, foram retirados clipes dos 50 anos de história da série, com Coleman inserida em segundo plano. Eles incluem:

  • Primeiro Doutor – filmagem tirada de “The Aztecs”, diálogo extraído de “The Web Planet”.
  • Segundo Doutor – filmagem de “The Mind Robber” e o especial do 21º aniversário “The Five Doctors”.
  • Terceiro Doutor – filmagem de “The Five Doctors”.
  • Quarto Doutor – filmagem de “The Invasion of Time”.
  • Quinto Doutor – filmagem de “Arc of Infinity”.
  • Sétimo Doutor – filmagens de “Dragonfire”.

O sexto Doutor foi representado por um sósia, embora ele (e todos os outros Doutores até o momento) possa ser escutado na montagem de sons vinda da linha do tempo do Doutor.

Parece que a Paternoster Gang (Madame Vastra, Jenny Flint e Strax), a fim de desfrutar plenamente do domínio sensorial de sua teleconferência, aprecia a música de Vivaldi, em particular “Primavera” de “As Quatro Estações”. Esse curioso capricho cultural da história, que os fãs de Doctor Who podem apreciar, é bastante improvável de ter acontecido, uma vez que pessoas da era Vitoriana não eram familiarizadas com “As Quatro Estações”, já que ela caiu de popularidade no final dos anos 1700, apenas para ser revivido em meados dos anos de 1950 por um grupo italiano chamado I Musici.

Não foi a primeira vez em que os telespectadores viram uma TARDIS (ou TARDIS(s)) antes do circuito camaleão ser ativado. Em “The War Games”, os companions do Segundo Doutor – Jamie e Zoe – foram devolvidos para as suas próprias linhas de tempo em TARDIS(s) que eram grandes caixas pretas. A pré-cabine de polícia possui um formato diferente porque o Doutor roubou sua TARDIS de uma frota de modelos obsoletos.

Assim como os dois prólogos, este episódio apareceu no meio de uma série de relatórios de campo do Strax, resumindo eventos na história e ajudando a aumentar as expectativas com o especial de aniversário de 50 anos de Doctor Who, “The Day of the Doctor”.

Fonte: Anglophenia

Nos acompanhe e curta nosso conteúdo!
error
Fechar Menu